Ao que tudo indica, já estamos em 2011.

A única grande mudança que eu sinto nas mudanças de ano, é que nos primeiros meses sempre erro a data e coloco o ano anterior.

Fora isso, estou mais velha. (Continuo igualmente pobre.)

Talvez menos Pollyanna. Acho que tenho perdido um pouco a cada ano…

Eventualmente tudo o que vou ter é a realidade. Nada pior que a realidade. (Não sei como alguns vivem só com realidade.)

Gosto da ideia de acreditar convictamente em coisas semi-impossíveis…

Gosto de pensar que ir pra Itália em Setembro é apenas escolher de onde minha viagem começa.

Gosto mais ainda de achar que (quase) sempre tudo vai dar certo, mesmo sabendo que às vezes não vai.

Ano, se achegue. Se junte aos outros aqui. Ignore aquele outro no fundo. (Resolvi pular aquele e não o conto como fazendo parte de mim.) Há quem diga que eu tenho um ano a mais. Eu digo que tenho um a menos. Não o vi passar e acho que deva ficar lá.

Que esse ano eu tenha menos realidade que ano passado… E que as pessoas sejam um pouco mais Pollyannas…

Anúncios

Na última semana tive as 2 piores dores de cabeça de muitos tempos.. Uma na quarta e outra ontem.. A de ontem parecia que ia fazer minha cabeça explodir. Um aneurisma deve doer menos. E tudo isso pra que?

Pra poder não parar de pensar. Trabalhar o tempo todo. Ócio criativo my ass. Parecendo mais trabalho compulsivo.. A gente tem tanta preocupação na cabeça, que não consegue parar de pensar e lembrar e trabalhar mesmo quando quer.

Esqueci o que é dormir. Acordo durante a noite, acordo antes do alarme… Saudade de perder a hora de tanto dormir.. (e não porque tive insônia e só consegui dormir Às 4 da manhã)

Minhas alergias estão atacadas, meu estômago reclama diariamente… Sinto que qualquer hora dessas eu empacoto. E eu era a criança saúde. Visão 20×20, sem alergias, tudo perfeito. De la pra cá, morro de alergia, rompi o ligamento 2 vezes, tenho gastrite, esofagite, refluxo, uso óculos, tenho um alien no olho direito e insônia. Isso, sem falar nas descomunais dores de cabeça.

Para tudo. Isso não ta certo. Não mesmo. Amo meu trabalho. Mesmo. Amo minha casa, meus amigos.. Mas uma hora dessas eu empacoto.. Mas a questão é: O que fazer? Se é que tem alguma coisa a se fazer….

Resolvi que ganhando na Mega ou não, eu viajo. Todo ano agora. Vou ter dívidas e mais problemas. Mas naquela semana, naquela viagem, eu vou dormir como um bebê e esquecer que o mundo existe. O problema é precisar viajar a cada 2 meses….

Se a fusão do Itaú diz que 1+1 é mais que 2, a do Real é igual a zero.

Sexta-feira, véspera de feriado e viagem, 17h, eis que vou ao banco sacar. Pra minha total surpresa, meu cartão estava bloqueado e pediram para que eu usasse meu novo cartão.

QUE NOVO CARTÃO? Não chegou nenhum novo cartão. Eu não pedi novo cartão.

Passo o feriado todo sem poder sacar ou usar o débito. O que isoladamente já me faria ficar de malumor por alguns bons dias.

Ligo hoje pra minha gerente e ela diz que o cartão deve ter voltado pra operadora de cartões e que pediria um novo. Demoraria cerca de 7 dias.

SETE DIAS?? EU NÃO POSSO SACAR, MINHA SENHORA. NEM USAR O DÉBITO. As filas de banco vão estar gigantescas por causa do início do mês.

No que ela diz que vai pedir urgência. 5 dias. Naonde que isso é urgência, minha gente??

E me pergunta: – Você tem cheque?

– Tenho.

– Você pode usar os cheques..

– É OBVIO QUE EU POSSO USAR OS CHEQUES. MAS NÃO POSSO SACAR SEM IR AO CAIXA.

(Fiquei na dúvida se ela também sente dor ao pensar e evita ao máximo)

Apesar de toda a minha briga e (ótimos) argumentos, nada adiantou. Meu cartão chegará em 5 dias. Com a sorte que eu tenho, ainda vão me cobrar por isso.

Será que em Buenos Aires aceitam cartão de ticket?

Só pode. Pensar deve doer pra algumas pessoas.  E não digo aquele pensaaaaaaaaar mesmo. Coisa simples.

Tipo ontem. Fui pedir um sanduba. (hmmm)

– Moço, manda uma porção extra de bacon pra mim?

– Porção extra de bacon. ok.

– Ah! Mas separado, por favor.. Não quero no sanduíche…

– Não tem como… Não temos nem embalagem.

– Pode mandar na mesma do sanduiche, mas do lado e não dentro.

– Não da mesmo…

– O bacon só pode se for dentro do sanduiche?

– É…

– … … … ok. Manda dentro.

 

E hoje mais alguns episódios que…  melhor deixar só pras rodas de boteco.

Mas volto ao início. Pensar, mesmo que minimamente, dói? Gasta?

Penso que as pessoas estão, no mínimo, emburrecendo. Não é possível que tudo sempre foi assim.. E é triste saber que nem é a burrice em si. É a preguiça. E a pior delas. De pensar. De usar a cabeça.

A preguiça dos outros anda doendo em mim…

O bom às vezes de se ter blog, twitter, facebook.. é poder extravasar um pouco..

Mas o que fazer quando seu chefe te segue no twitter e você não pode esbravejar? Ou quando seu namorado pode ou não ler o seu blog? Voltamos pros diários?

O que fazer quando se quer que o público seja um público privado?

Como lidar com o Google que acha tudo o que você já escreveu na vida? Seja particular ou não.

Das duas uma. Ou escrevemos assim mesmo e corremos o risco de passarmos por situações desagradáveis ou guardamos tudo. Guardar tudo nunca é bom.. extravasar demais também não.. Nem tanto ao mar, nem tanto a terra, certo?

Tudo é tão público que eu me pego pensando.. Devemos pensar em quem somos no mundo virtual?.. Deveríamos ser mais ou menos comedidos do que seríamos normalmente? Até onde a nossa pessoa pública nem tão pública deve se controlar e deixar de, talvez, ser quem é de fato?

Animadíssima com a volta aos treinos, corri sábado, me despedi da coca e me lancei novamente nas dietas.

Prometi (pra mim) que vou (tentar) ficar sem tomar coca até o final do ano.. O que para alguns é simples, pra mim não é. A coca é o meu cigarro. Imagine um fumante ficar 3 meses sem fumar. Pois é.

E eis que animada que estou com tudo isso, prometi ser mais comprometida com a corrida, pensei logo em voltar a nadar e virar aquela esportista. No que volta a chover. E como, COMO que volta a correr assim??

Como faz qualquer coisa? Chuva não me ajuda em nada. Não tenho vontade de vir andando pro trabalho, de comer folhas e muito menos de correr…

Já tenho desculpas suficientes pra não fazer, São Pedro. Mata essa aí, vai?

Pecado de hoje: Ira.

Que todo mundo tem sua saga com a Net ou outra empresa de internet é inegável.. e eu já tive algumas.. mas a de ontem superou toda e qualquer expectativa.

Problema resolvido. A internet foi reestabelecida no dia seguinte. E eis que hoje recebo o seguinte e-mail:

Olá,

Meu nome é **** e trabalho na área de relacionamento da NET.

Li um post seu no Blog e, buscando a satisfação de nossos clientes, gostaria de te ajudar a sanar qualquer dúvida ou problema relacionado aos serviços NET. Pelos dados informados, não consegui localizar o contrato. Por favor, envie o seu antigo código de assinante para que eu possa lhe ajudar com o seu caso.

Respondi contando do acontecido e de um outro incidente anterior.. Mas escrevo aqui para parabenizar pela iniciativa. Achei curioso e, no mínimo, simpático deles.

Pronto, tudo reparado, voltei a amar vocês. E confesso que a vozinha inteligente do telefone ajuda:

– Diga seu problema.
– Conserto.
– Ah, entendi. Reparo.

Como não amar?

Portanto, sem pecados, desculpas aceitas. Fizemos as pazes.